A polícia de Witzel mata (menos onde tem milícia)s

22/08/2019
_____

Witzel e a milícia

Nesta semana, o dublê de Capitão Nascimento que governa  o Rio de Janeiro, Wilson Witzel, celebrou o fato de que a Polícia Militar foi filmada matando um sequestrador – cumprindo, em praça pública, uma promessa de estatização da morte feita durante a campanha. Mas há um detalhe extremamente importante na política de extermínio promovida por Witzel. É que nenhuma das 881 mortes causadas pela polícia do Rio durante o primeiro semestre ocorreu em regiões controladas por milícias. O levantamento feito pelo UOL cruzou os dados da Secretaria de Segurança Pública com informações dos serviços de inteligência das polícias Militar e Civil, e do Disque-Denúncia. O caso que mais chama a atenção é o da Área Integradas de Segurança Pública 18, que corresponde à região de Jacarepaguá, onde estão comunidades como as da Muzema e de Rio das Pedras (Alô, Queiroz!). Lá só foram registradas mortes em favelas notoriamente controladas pelo tráfico, como é o caso da Cidade de Deus – onde, inclusive, um helicóptero da Polícia Civil lançou granadas  (sim, granadas) sobre a população nesta semana.

Quer saber mais?
Em julho, as polícias do Rio mataram mais 194 pessoas, aumentando o total no ano para 1.075. E o secretário de Segurança do Estado, Marcus Vinícius Braga, avisou que o governo “vai matar mais”

Acordo, estranho acordo

O acordo comercial firmado entre o Mercosul e a União Europeia pode ter um efeito ainda mais nocivo no uso de agrotóxicos no Brasil. Por pressão do Mercosul, o texto final ampliou a tolerância ao uso de pesticidas nos alimentos vendidos à Europa. Uma das manobras foi esvaziar o Princípio da Precaução, instrumento jurídico que dá ao comprador o poder de recusar uma mercadoria, mesmo sem provas científicas, por receio de que ela cause dano à saúde ou ao meio ambiente. Mas talvez os europeus não tenham batalhado tanto assim pelo dispositivo, já que é na Europa que ficam dos quatro maiores laboratórios do ramo, responsáveis por quase metade da venda mundial de agrotóxicos.

Quer saber mais?
Um juiz no Mato Grosso do Sul considerou improcedente uma ação movida contra um fazendeiro que pulverizou agrotóxicos sobre uma Terra Indígena, comparando o uso do veneno ao combate à dengue

Cova rasa

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), emitiu uma nota pública contestando o laudo da Polícia Federal que viu a morte do líder indígena Emyra Waiãpi como um caso de afogamento. Segundo a PF, “apesar das informações iniciais darem conta de invasão de garimpeiros na terra indígena e sugerirem possível confronto com os índios, que teria ocasionado a morte da liderança indígena, o laudo necroscópico não apontou tais circunstâncias”. A Apib diz que o laudo contradiz os testemunhos de um comandante da PM do Amapá e da prefeita de Pedra Branca, que afirmam ter havido assassinato. Também diz que a perícia foi feita sem rigor e “de forma duvidosa”, de acordo com o testemunho de uma pessoa que acompanhou a autópsia (a pessoa não quis ser identificada). Por fim, lembra o óbvio: que a Polícia Federal é controlada por um governo anti-indígena.

Quer saber mais?
Uma decisão judicial suspendeu a autorização de mineração em Terras Indígenas

Armas na Câmara

O plenário da Câmara aprovou ontem um projeto de lei que permite a posse de armas ao dono de um imóvel rural em toda a extensão da propriedade (antes a posse ficava restrita à sede). O projeto já havia sido aprovado pelo Senado em junho, e agora vai para sanção do Executivo (ganha uma bala de calibre .45 quem acertar qual será a decisão de Bolsonaro). Também estava na pauta um PL do Executivo que versa sobre a liberação do porte de armas para guardas municipais, agentes socioeducativos e peritos criminais, além de diminuir a idade mínima para a compra de armas de 25 para 21 anos. Mas este segundo projeto foi retirado da pauta pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) por não haver consenso a seu respeito.

Quer saber mais?
73% dos brasileiros são contra a flexibilização do porte de armas, e 61% são contrários à facilitação da posse

Livre, leve, solto (e sem licença ambiental)

Ontem o Senado também aprovou a Medida Provisória 881, chamada de MP da Liberdade Econômica. Um acordo entre os senadores tirou do texto o artigo que permitia o trabalho aos domingos. Por outro lado, o texto tem um ponto que oferece riscos enormes ao meio ambiente, por permitir ações de desmatamento por empreendedores, caso órgãos do governo demorem a emitir licenças ambientais. Há ainda um artigo que autoriza o produtor a “desenvolver atividade econômica de baixo risco, para a qual se valha exclusivamente de propriedade privada própria ou de terceiros consensuais, sem a necessidade de quaisquer atos públicos de liberação da atividade econômica”. Na prática, isso significa liberação para desmatar caso o empreendimento seja considerado de baixo impacto. O texto vai para sanção presidencial. 

Quer saber mais?
Outros aspectos da medida fizeram a jornalista Maria Cristina Fernandes chamar o texto de “MP do Estado Anarcocapitalista”

E lembra daquele PL sobre o licenciamento ambiental?
O relator do projeto, Kim Kataguiri (DEM-SP), admitiu que foi pressionado por ruralistas e pelo governo para entregar o texto final

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais.