PeriferUbers

25/01/2019
_____

CEOs da quebrada

É claro que na favela o poder aquisitivo é mais baixo, mas segundo o Data Favela, a soma da renda de todos os seus moradores gera uma cifra bem considerável: R$ 68,5 bilhões. E onde há dinheiro, há oportunidade. Na Vila Brasilândia, bairro da periferia de São Paulo, o empresário Alvimar Silva criou a Ubra, uma empresa de transporte, aos moldes do Uber, que busca e leva moradores justamente onde os carros do Uber não vão. Em Heliópolis, também em São Paulo, o empresário Agostinho Souza criou a Godnet Telecom, uma provedora de internet em fibra ótica que também chega nas ruelas que não são atendidas pelas grandes operadoras. A Énois mapeou essas e outras iniciativas de CEOs da quebrada.

Quer saber mais?
Que tal escolher onde vai comer no Prato Firmeza, um “guia gastronômico das quebradas” de São paulo?

O caminho de volta

Jovens egressos do sistema prisional têm muita dificuldade em reconstruir a vida do lado de fora. Para mostrar quais são os percalços, a Énois acompanhou a saga de dois desses jovens. Um deles, Leandro, trabalhou para o tráfico e cometeu assalto a mão armada. Aos 17 anos foi preso e internado na Fundação Casa, instituição responsável por aplicar medidas socioeducativas aos jovens do Estado de São Paulo. Ao sair, depois de oito meses, Leandro passou a vender chocolate nas estações de trem (um trabalho ilegal), até ser incluído num curso técnico, através de um Programa de ressocialização da Fundação Dom Bosco. Em um país que discute diminuir a maioridade penal, a história de Leandro, hoje mecânico pneumático e motivo de “dupla honra” para sua mãe, mostra que mais importante que construir cadeias é construir caminhos de ressocialização.

Quer saber mais?
O Brasil tem 22 mil menores infratores internados

Conhece a Fundação Casa?
Saiba como é o dia a dia dentro das instituições

Quer pensar sobre a redução da maioridade penal?
O Politize listou argumentos contra e a favor da proposta

A carne é fraca

De acordo com uma pesquisa realizada pela Sociedade Vegetariana Brasileira, 60% dos brasileiros comprariam mais produtos veganos se o preço equivalesse ao das comidas onívoras. Mas será que não é possível ser vegano gastando pouco? A Énois fez uma reportagem em colaboração com o UOL Tab, para tentar responder a essa pergunta. Concluiu que possível é, embora não seja fácil. Ana Carolina Soares, por exemplo, criou um grupo no Facebook, o Veganos Pobres Brasil, para a troca de receitas baratas. Rodrigo Luiz Guglieri fez postagens ensinando a fabricar leites vegetais que custam menos de R$ 1 o litro. Não há dados sobre a população vegana no Brasil, mas de acordo com a Sociedade Vegetariana, 30 milhões de pessoas – ou 14% dos brasileiros – não comem carne.

Quer saber mais?
Assista aos vídeos do canal Vegano Vitor

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais.