Reforma trabalhista: eu já escuto os teus sinaiss

15/02/2019
_____

Tem que mudar isso aí

Em novembro do ano passado, completou-se um ano da reforma trabalhista sancionada pelo ex-presidente Michel Temer. Embora tenha havido uma diminuição de 3,6% no desemprego, isso se deveu ao aumento do número de empregos informais e de pessoas que foram trabalhar por conta própria. No campo das negociações e litígios entre empregados e empresas, a situação piorou. Os sindicatos diminuíram radicalmente de tamanho depois do fim da contribuição sindical obrigatória – o que acabou por enfraquecer a defesa dos seus associados em negociações por aumento de salário ou melhoria de condições de trabalho. O número de ações movidas por empregados na Justiça do Trabalho também diminuiu, porque a nova lei obriga os empregados a pagar as custas do processo, caso sejam derrotados.

Quer saber mais?
Bolsonaro já falou em acabar com a Justiça do Trabalho

Veneno acima de todos

O paraquate é um agrotóxico que pode causar depressão, câncer e Mal de Parkinson. Teve a venda proibida na Europa desde 2007, mas aqui, é o oitavo pesticida mais usado na agricultura. Quer dizer, o veneno recebeu a classificação de extremamente tóxico da Anvisa, e foi proibido de ser vendido no país, mas só a partir de 2020 (e a proibição ainda pode ser revertida pelo Congresso, que vem recebendo afagos da Syngenta, a empresa suíça responsável pela fabricação). Atualmente, oito pessoas são intoxicadas por agrotóxicos a cada dia no Brasil (o número pode ser muito maior, dado que o Ministério da Saúde acredita que haver uma subnotificação dos casos).

Quer saber mais?
O governo vem aprovando a comercialização de novos agrotóxicos em uma velocidade preocupante

Direitos abaixo de tudo

Entre as 202 empresas elencadas na lista suja do trabalho escravo de 2018, quatro são fazendas de café em Minas Gerais, onde 210 empregados foram flagrados em situação precária. As ocorrências mais comuns diziam respeito a alojamentos em péssimas condições, retenção de documentos pelos fazendeiros e falta de registro na carteira de trabalho. Na fazenda Córrego das Almas, em Piumhi, interior de Minas, 18 pessoas foram resgatados pelo falecido Ministério do Trabalho. Trabalhavam de segunda a sábado, das 6h às 17h, sem receber qualquer hora extra. Além disso viviam em alojamentos coletivos infestados de morcegos e ratos. A fazenda tinha uma certificação internacional concedida pela Starbucks, rede de cafeterias norte-americana.

Quer saber mais?
O Somos Livres é um movimento que combate o trabalho escravo no Brasil

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais.