Três notas sobre educaçãos

08/02/2019
_____

Jogando pela base

Em dezembro, pouco antes da troca de governos, o Ministério da Educação homologou a Base Nacional Curricular Comum do Ensino Médio, que passou a servir de guia do que todo aluno tem o direito de aprender nos três anos finais nas escolas públicas e particulares (um ano antes, o MEC já havia homologado a BNCC para os ensinos Infantil e Fundamental). Embora estivesse prevista na Constituição de 1988, a BNCC só passou a ser estruturada a partir de 2014, quando foi disponibilizada para consulta pública. Na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, ela já está em fase de implementação; deve chegar em todas as salas de aula até 2020. No Ensino Médio, o prazo é até 2022. Vale lembrar que a Base é uma política de Estado e não de governo. Por isso, foi construída com milhares de contribuições de educadores, alunos, gestores e integrantes da sociedade civil. O que se espera, depois de anos de negociação, é que os documentos homologados em uma ampla discussão democrática sejam respeitados.

Quer saber mais?
Entenda o que é a Base Nacional Curricular Comum

Quer conhecer a BNCC a fundo?
O texto completo tem 600 páginas

Tem dúvidas sobre a importância da Base?
A Fundação Lemann citou cinco razões para apoiá-la

Internet em sala de aula

Em 2017 o MEC criou o programa Educação Conectada, para levar internet de alta velocidade às salas de aula, para uso pedagógico. Em Sobral, no Ceará, a tecnologia fez com que estudantes de duas escolas públicas passassem a ter aulas sobre engenharia, design, robótica e computação. O mesmo se deu em São Paulo, onde três Centros de Educação Unificados receberam o LED, um laboratório com computadores, impressora 3D, cortadora a laser e máquina de costura (as duas iniciativas são bancadas pela Fundação Lemann). A ideia é que o acesso a recursos digitais em sala de aula, associada à experiência dos professores, ajude a diminuir as desigualdades sociais na formação dos alunos.

Quer saber mais?
A adoção da tecnologia não diminui a importância do professor

Quer aprender?
O YouTube Edu é uma plataforma de educação criada em parceria com a Fundação Lemann

O custo da evasão

O Brasil tem hoje mais de 2 milhões de crianças e jovens fora da escola, por razões que vão do trabalho precoce à dificuldade de acesso, passando, claro, pela violência. O problema acentua a desigualdade social, e gera um prejuízo de R$ 100 bilhões por ano, não só diretamente, nos recursos desperdiçados nas escolas, mas em custos gerados na saúde e na segurança pública, por exemplo. Nesse contexto, evitar que talentos sejam desperdiçados é um desafio para qualquer educador.

Quer saber mais?
A Fundação Lemann tem programas que colaboram na formação do professor – o que ajuda a combater a evasão escolar

Você é professor da rede pública?
A Rede Conectando Saberes reúne mais de 200 professores que pensam em políticas públicas para a educação

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais.