Três novas notas sobre o meio ambientes

05/07/2019
_____

Nota dos editores 342

Toda sexta, MemeNews publica uma edição especial, em parceria com ONGs, institutos e agências. A de hoje, sobre preservação do meio ambiente, teve curadoria e edição do 342Amazônia.

Um dia do caçador, o outro também

Nesta semana, a Justiça Federal do Acre acolheu denúncia contra um grupo acusado de matar oito onças-pintadas e 13 capivaras. A caça é proibida no Brasil desde 1967, mas continua sendo praticada de maneira ilegal, para alimentar o tráfico de animais silvestres, que tira 38 milhões de animais da natureza por ano. E pode piorar, em função de um dinamite deixado no Congresso pelo ruralista, ex-deputado – e atual diretor do Serviço Florestal – Valdir Colatto (MDB-SC). É que no início do ano, a Câmara desarquivou um projeto de lei apresentado por Colatto em 2016, que permite a caça de animais silvestres até em unidades de conservação. O PL está na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

Quer saber mais?
A WWF chamou o projeto de Colatto de “repugnante”

Quer se manifestar?
Baixe e compartilhe as imagens produzidas pelo 342Amazônia contra o PL da caça

A grilagem compensa

O Brasil pode ter um duplo prejuízo, ambiental e financeiro, na Amazônia. Uma medida provisória publicada pelo ex-presidente Michel Temer em 2017 facilitou a posse de terras griladas que pertencem à União. Além de anistiar quem ocupou ilegalmente terras públicas na Amazônia Legal entre 2005 e 2011, a “MP da Grilagem” deu ao invasor a possibilidade de comprar essas mesmas terras por um valor abaixo de mercado. Resultado? Uma perda de receita de R$ 118 bilhões, segundo uma estimativa feita pelo Imazon – além, claro, do incentivo institucionalizado a futuras invasões de terras públicas. A MP, que virou lei, é contestada em três ações no STF.

Quer saber mais?
Leia o estudo completo

Chega de veneno!

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tem defendido a liberação de mais agrotóxicos, mesmo diante do triste recorde batido pelo governo Bolsonaro. Só neste ano, 239 agentes químicos foram liberados para comercialização, e outros 440 pedidos de registros foram aceitos. Dos venenos liberados, 43% (ou 103) estão nos piores níveis de toxicidade à saúde humana (extremamente ou altamente tóxicos), e 45%  (ou 108) nos maiores níveis de periculosidade ambiental (altamente ou muito perigosos ao meio ambiente). E tudo pode piorar, já que existe um projeto de lei na Câmara – o famigerado PL do Veneno – que afrouxa as regras sobre uso, controle, registro e fiscalização de agrotóxicos. Alguns dos agentes vendidos no Brasil são responsáveis por casos de intoxicação, e estão associados a quadros de depressão e câncer.

Quer se engajar?
Compartilhe posts da campanha “Chega de Veneno!”, do 342Amazônia

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais.